Essa situação não é de hoje…

O problema do menor abandonado não é de hoje. É uma patologia de muitos séculos que não é uma simples manifestação política que vai resolver este caos. A questão sobre o menor abandonado é sistêmica, é estrutural, e perdurará por muitos séculos sem uma decisão precisa de como resolver tal dificuldade. Onde quer que esteja, o homem depara-se de imediato com menores infratores, com trombadinhas, com jovens prostitutas e com muitos outros tipos de delinqüências juvenis que a sociedade capitalista cultiva, com grande intensidade. E, de quem é a culpa? O que fazer para minorar tal problema tão agravante em sociedade tão paternalista que existe nos dias atuais? Como atacar o problema? Finalmente, como conscientizar essa sociedade que aí está, a ver o menor abandonado como um problema de segregação, não só econômica, mas igualmente social?

Via ( http://www.eumed.net/libros/2006a/lgs-etic/1k.htm )


O Menor Abandonado.
 
É grave o caso do menor abandonado no Brasil, a falta de cuidados, a falta de informações e a pobreza, são os principais fatores para o crescimento deste índice que não para de crescer.
Cada vez mais crescem os índices que “mancham” a imagem do Brasil, mesmo com o estatuto da criança e do adolecente criado a poucos anos, e com todos esforços do Governo, o problema parece estar longe de acabar. Apesar de hoje termos vários meios de comunicação, a falta de informação ainda é grande para algumas pessoas, além disso a falta de cuidado para não engravidar não é problema, principalmente para famílias de baixa renda, que não tem vida familiar planejada enão medem as consequências de ter um filho que no futuro não terão condições de criar e educar adequadamente.
 
Outro fator importante desse problema, é a pobreza que cresce desordenadamente nas periferias das grandes cidades, isso faz com que famílias abandonem seus filhos, muitas vezes eles não chegam a ficar nas ruas, totalmente desamparados, mas porque algum familiar assume  a responsabilidade de criar, ensinar e ajudar.
Isso mostra que é preciso muito empenho das autoridades em criar ações para informar e ensinar a população, além disso é preciso mostrar o problema como ele é, assim como é preciso ter conciência da população, só assim acabaremos com o abandono de menores.
Via ( http://sueco.wordpress.com/2006/07/06/o-menor-abandonado/ )

O Menor Abandonado.

 

É grave o caso do menor abandonado no Brasil, a falta de cuidados, a falta de informações e a pobreza, são os principais fatores para o crescimento deste índice que não para de crescer.

Cada vez mais crescem os índices que “mancham” a imagem do Brasil, mesmo com o estatuto da criança e do adolecente criado a poucos anos, e com todos esforços do Governo, o problema parece estar longe de acabar. Apesar de hoje termos vários meios de comunicação, a falta de informação ainda é grande para algumas pessoas, além disso a falta de cuidado para não engravidar não é problema, principalmente para famílias de baixa renda, que não tem vida familiar planejada e
não medem as consequências de ter um filho que no futuro não terão condições de criar e educar adequadamente.

 

Outro fator importante desse problema, é a pobreza que cresce desordenadamente nas periferias das grandes cidades, isso faz com que famílias abandonem seus filhos, muitas vezes eles não chegam a ficar nas ruas, totalmente desamparados, mas porque algum familiar assume  a responsabilidade de criar, ensinar e ajudar.

Isso mostra que é preciso muito empenho das autoridades em criar ações para informar e ensinar a população, além disso é preciso mostrar o problema como ele é, assim como é preciso ter conciência da população, só assim acabaremos com o abandono de menores.

Via ( http://sueco.wordpress.com/2006/07/06/o-menor-abandonado/ )


- Sabe… têm certas horas que eu não compreendo certas coisas. Se a vida que é assim, ou eu que nasci errado.- Olha… eu queria ser também igual a você!- Gostaria de sorrir da mesma maneira como você faz.- Queria ser bonito, sadio e alegre. Saber falar igualzinho a você, dizendo para os meus amiguinhos: olha,… o papai trouxe uma porção de presentes para mim, de Nova York!- Queria tanto ter uma bicicleta! Mesmo que fosse igual aquela que você não usa!- Sabe… eu tenho muita vontade de ser respeitado, amado, pra falar a verdade: eu queria mesmo era ser tratado como uma criança, que sente vontades e que têm ilusões.- Sabe… quando vejo você passar para ir à escola, eu sinto um pouquinho de inveja. Mas não é do seu uniforme novo, porque esse eu ainda posso usar; pois logo ele estará no lixo e eu irei recolhê-lo, mas sem que você veja, é claro! Pois tenho um pouquinho de vergonha. A inveja que eu sinto mesmo é que você pode entender as palavras dos cartazes e eu somente compreender as figuras.

Via ( http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=72622 )


- Sabe… têm certas horas que eu não compreendo certas coisas. Se a vida que é assim, ou eu que nasci errado.
- Olha… eu queria ser também igual a você!
- Gostaria de sorrir da mesma maneira como você faz.
- Queria ser bonito, sadio e alegre. Saber falar igualzinho a você, dizendo para os meus amiguinhos: olha,… o papai trouxe uma porção de presentes para mim, de Nova York!
- Queria tanto ter uma bicicleta! Mesmo que fosse igual aquela que você não usa!
- Sabe… eu tenho muita vontade de ser respeitado, amado, pra falar a verdade: eu queria mesmo era ser tratado como uma criança, que sente vontades e que têm ilusões.
- Sabe… quando vejo você passar para ir à escola, eu sinto um pouquinho de inveja. Mas não é do seu uniforme novo, porque esse eu ainda posso usar; pois logo ele estará no lixo e eu irei recolhê-lo, mas sem que você veja, é claro! Pois tenho um pouquinho de vergonha. A inveja que eu sinto mesmo é que você pode entender as palavras dos cartazes e eu somente compreender as figuras.

Via ( http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=72622 )


myimpossibledream:

Enquanto falamos de amor milhares de crianças estão passando fome, sendo maltratadas, sendo mortas…pense nisso, não podemos mudar o mundo mas podemos fazer a nossa parte com simples gestos. 

myimpossibledream:

Enquanto falamos de amor milhares de crianças estão passando fome, sendo maltratadas, sendo mortas…pense nisso, não podemos mudar o mundo mas podemos fazer a nossa parte com simples gestos.